Páginas

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Acerte os ponteiros da digestão


Invista em uma boa alimentação e exercícios físicos para evitar a prisão de ventre
As mulheres são as mais suscetíveis ao problema de intestino preso (constipação). Isso está relacionado com aspectos culturais e fisiológicos. Por serem mais discretas as mulheres não gostam de usar banheiros públicos ou outros lugares que não seja o de casa para esse fim. Além disso, a rotina corrida também interfere no bom funcionamento do sistema digestivo.

A constipação ocorre mais freqüentemente acima dos 40 anos e a prevalência é três vezes maior na mulher do que no homem. Isto ocorre devido a fatores hormonais que deixam o trânsito intestinal mais lento.

Altera até o humor
A prisão de ventre caracteriza-se pela diminuição da freqüência de evacuações (menos que três vezes por semana) acompanhadas de fezes  endurecidas ou ressecadas, dificuldade e dor evacuatória desconforto.Durante esse processo  as fezes perdem bastante água, ficando endurecidas e dificultando sua eliminação.

A distensão abdominal está muitas vezes associada a uma percepção corporal desagradável e a dificuldade de uso do vestuário habitual. Distúrbios de humor, ansiedade e depressão são freqüentes. Não é à toa que o termo "enfezado" remete a um intestino repleto de fezes.

Por que prende?
As principais causas da prisão de ventre são: o baixo consumo de alimentos ricos em fibras e baixa ingestão de líquidos, o sedentarismo, a idade avançada, a gravidez, a obesidade e o uso de determinados medicamentos (diuréticos, analgésicos, calmantes, anorexígenos, antiácidos entre outros). A constipação pode decorrer de doenças orgânicas como o diabetes mellitus, hipotireodismo, doenças neurológicas, depressão, hérnias abdominais e tumores.

Além da cólica
A prisão de ventre pode causar mais do que uma cólica. Ela afeta o organismo esteticamente e emocionalmente. Evacuações dolorosas, fissuras anais, hemorróidas, alterações da pele, do humor e perda de qualidade de vida são reflexos do problema.

Tratamento
Quando a prisão de ventre se torna crônica, isto é, quando passa a ser constante, é necessário a ajuda de um gastroenterologista.

A prevenção da constipação intestinal implica em mudanças nos hábitos de vida, passando por medidas dietéticas e comportamentais. A alimentação está diretamente relacionada com a eficiência da digestão e com o bom funcionamento intestinal. A má alimentação aliada a hábitos nocivos como o consumo regular de bebidas alcoólicas, o fumo, a falta de exercícios e o estresse, favorecem a prisão e ventre.

Dicas para se manter longe da prisão de ventre
- Invista em uma dieta rica em fibras. Os principais alimentos que contém fibras são: vegetais (legumes, verduras, raízes), frutas (preferencialmente com casca), leguminosas (feijão, lentilha, ervilha, grão-de-bico, soja, fava) cereais integrais (aveia, granola, farelo de trigo), oleaginosas (noz, avelã, amêndoa, castanha) e gergelim.

- Beba muito líquido (1,5 a 2 litros/dia): a água ajuda a hidratar as fezes e facilita a evacuação.
- Respeite o reflexo evacuatório: vá ao banheiro sempre que tiver vontade.
- Faça refeições regulares (café da manhã, almoço e jantar) e alimente-se de 3 em 3 horas, comendo devagar e mastigando bem os alimentos.
- Evite a ingestão excessiva de massas, farináceos refinados, bolos, batata, chocolate, chá preto e mate, pois eles favorecem a constipação.

Para regular
Os laxantes farmacêuticos acabam, ao longo do tempo, causando dependência e os intestinos só funcionarão sob seu efeito. Invista em alimentos que contêm substancias funcionais, como ameixa preta, rica em ácido diidroxifinil (estimulante dos movimentos peristálticos) e o mamão, rico em papaína, enzima digestiva. O kiwi e a laranja também auxiliam no bom funcionamento do intestino.



Beijos, Renata

Um comentário:

  1. Adoro ler materias sobre intestino preso, eu sofro com isso.

    ResponderExcluir